­

Os quatro evangelhos descrevem a ressurreição de Jesus como acontecida na aurora do primeiro dia da semana, isto é: no domingo (Mateus 28.1; Marcos 16.2; Lucas 24.1; João 20.1).

Quanto à crucificação de Jesus, os evangelhos são unânimes e dizem que era ‘dia da preparação’, que significa o dia que precede a Páscoa, que naquele ano, como afirma claramente João, caía no sábado – “porque esse sábado era grande dia!” (João 19.31). Além do mais era a ‘hora nona’, ou seja, três da tarde (Mateus 27.45-50).

Lucas deixa claro que Jesus foi sepultado na tarde de sexta-feira (dia de preparação da Páscoa Judaica): “Era o dia da preparação, e começava o sábado.” (Lucas, 23. 54). Enquanto para nós, o dia começa à meia noite (zero hora), para os judeus o dia começa às dezoito horas. Por exemplo: o sábado para o judeu começa às 18h00 de sexta-feira. Logo, Jesus foi sepultado no final da tarde de sexta-feira, antes das 18h00, quando teria início o segundo dia, da sua morte.

Entretanto, no domingo, ou seja, no terceiro dia, Jesus ressuscitou e na sua ressurreição – desde aquele dia – estamos todos nós apoiados e sustentados nessa verdade que fundamenta toda a fé cristã desde então.

Paulo afirma que: “E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados.” (1 Coríntios 15.17)

Portanto, para o cristianismo, a ressurreição de Jesus é um fato incontestável e este ocorreu durante uma festa da Pascoa Judaica.

A Páscoa, portanto, fala do sangue, da morte e da ressurreição do Senhor Jesus Cristo, garantindo-nos a vida eterna, pois da mesma forma com que Ele ressuscitou, nós também ressuscitaremos no último dia (João 6.39, 40, 44, 54).

Por causa da obra expiatória de Cristo Jesus na cruz do Calvário, por mérito exclusivo dele caminhamos com segurança, tendo como alvo a ressurreição e a glorificação para passarmos a eternidade, como Igreja, na presença do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

A verdade gloriosa da ressurreição está em que o Senhor Jesus Cristo venceu a morte e ressuscitou como primícias de todos os que dormem.

O túmulo de Jesus está vazio. Ele está vivo, reina e vai voltar. Aleluia! Essa é a nossa viva esperança.

 

 

Pr. Celso Lopes

­