­

“Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor, no qual temos a redenção, a remissão dos pecados” (Colossenses 1.13-14).

O apóstolo Paulo nos ensina que em Cristo temos a redenção. A palavra redenção significa livrar alguém através do pagamento de um preço. A ideia está associada com a de “resgate”. O termo grego para ambos é lytron, que era usado para o ato de pagar o resgate de escravos de guerra. Redenção é aquilo que se oferece para libertar e resgatar um homem de uma escravidão bárbara. A redenção inclui tudo aquilo que chamamos salvação: livramento do pecado, perdão dos pecados, justificação, santificação, glorificação e a vida eterna. É o ato pelo qual o crente passa a ser de Deus, mediante o pagamento de um resgate.

Em Cristo, mediante o preço de sangue, o crente é liberto completamente, para não mais ser escravo de ninguém (Gálatas 5.1). O sangue de Cristo (1 Pedro 1.17-21), sua morte na cruz, foi o preço pago pela nossa redenção. Jesus se ofereceu, ofereceu seu sangue, como o preço para nos libertar e nos presentear ao Pai: Apocalipse 5.9-10. Ao nos comprar, mediante a obra expiatória de Cristo Jesus, Deus acabou com a nossa condição de escravos e nos tornou participantes da Sua natureza (2 Pedro 1.4).

Na linguagem do autor de Hebreus, Ele, Jesus, nos tornou seus irmãos, pois passamos a ser filhos do Pai (Hebreus 2.11-12). Tínhamos a natureza de Adão, porém a redenção obtida em Cristo, por seus próprios méritos, nos proporcionou a natureza Divina.

A nossa redenção nos faz participantes, também, da ressurreição, da ascensão e da glorificação de Cristo: Romanos 4.25 e 8.29-30. Isto significa que temos vida na vida de Cristo, e porque ele ressuscitou, seremos ressuscitados (1 Coríntios 15.20-22) e como ele foi glorificado, nós também o seremos (1 João 3.2).

Ao efetuar a nossa redenção, Jesus nos deu sua natureza vitoriosa, sua natureza ressurreta e sua natureza glorificada.

Redenção é, portanto, a essência da salvação. Significa que fomos comprados para Deus, como o texto de Apocalipse 5.9-10 nos mostra. Como consequência ética da nossa redenção, devemos reconhecer que somos o santuário do Espírito Santo e não mais escravos de alguém nem mesmo donos de nossa vida (1 Coríntios 6.19-20).

Pr. Celso Lopes

­